sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Resenha: Prometo Falhar

Nome: Prometo Falhar
Autor:  Pedro Chagas Freitas
Gênero:  Crônicas/Romance
Editora: Novo Conceito
Número de Páginas: 399


“O problema das pessoas é pensarem que para ser sentido tem de ser difícil, que para ser verdade tem de ser demorado” – pág 40


Eu comprei esse livro por impulso. Fiquei apaixonada pelo título e pela capa e nem procurei saber sobre o que ele falava. Culpada eu sei – vivo fazendo isso. Mas não me decepcionei.


“Ainda não sei bem o que é o amor, o mais certo mesmo é que ninguém saiba” – pág 20.
É uma coletânea de crônicas – o que basicamente quer dizer que você não vai encontrar uma única história nesse livro, mas sim varias, uma a cada 3 páginas mais ou menos. E, em minha opinião, se você tentar lê-lo direto vai perder o sentido da coisa. Fiz de “Prometo Falhar” meu livro de cabeceira por quase um ano por isso. Eu o lia entre os outros livros, nos momentos de ressaca e posso dizer que amei a experiência. Foi sem dúvida o jeito certo de ler esse livro.

“O amor é o que nos convence de que algo que faz parte da vida, mesmo que a vida seja finita, pode ser infinito. Nos convence de que apesar de fazer parte de algo eu vai acabar e que tem de acabar nunca mais irá acabar em nós” – pág 257

As crônicas falam sobre amor. Todas elas falam unicamente sobre isso. Amor em suas mais diversas formas. Um pai que fala sobre o filho, o cara que se apaixona e nunca tem coragem de falar, uma criança descobrindo a graça do primeiro amor, um filho que fala da mãe. O amor do autor pela escrita. O amor que dói, o que faz sorrir, o que foi transformado em raiva. O amor do sexo, do orgasmo, do momento e do eterno. E eu provavelmente poderia continuar com isso por horas.

Cada história tem um detalhe diferente. E cada crônica precisa ser sentida depois de lida para depois ser pensada. Algumas vão tocar você, outras vão ser tediosas. A que você gostar pode não fazer sentido algum pra outra pessoa.

“A vida é pequena demais para perdermos tempo gastando energia em algo que não envolva amor.” -  pág 42

Eu marquei umas 20 crônicas como favoritas e (como louca do marca texto que sou) uns 10.000 trechos diferentes. E o melhor é que como as crônicas não precisam ser lidas na ordem, você pode abrir na página que der vontade e ler a partir dali.

É um livro sensível, diferente, tocante e provocante, que em alguns momentos vai fazer você refletir. Aquele tipo de livro que você lê com o coração aberto. Se você não gostou, tente ler aos poucos, assim talvez mude de ideia.

“Prometo falhar. Sem hesitar. Prometo ser humano, aqui e ali ser incoerente, aqui e ali dizer a palavra errada, a frase errada, até o texto errado, aqui e ali agir sem pensar” – 
pág 83